Do comer demais e desatento ao saborear com consciência


por @joaomotarelli_nutri


“O meu médico me disse para deixar de ter jantares para quatro a menos que houvesse outras três pessoas” (Orson Welles, 2010)


Segundo Ventura e Mennella (2011), nossa jornada evolutiva adaptou nossos cérebros para sobreviver em tempos de escassez e, como resultado, somos geneticamente programados para gostar de alimentos com alta densidade energética desde muito jovens. Por exemplo, bebês são acalmados de forma mais eficaz com alimentos doces do que com outros tipos de alimentos.


Caroline Baerten afirma na edição de 2018 da revista Food for Thought que, no mundo de hoje, a indústria de alimentos aproveita essa parte reativa do cérebro e que, ao longo do dia, nossos sentidos são atacados por anúncios de comida em revistas, jornais, outdoors e ônibus. Esse fluxo de mensagens mantém nossas mentes preocupadas com a comida, o que influencia nosso comportamento. Além disso, essas mensagens também nos acompanham em restaurantes, onde a alimentação consciente pode ser particularmente difícil.


Ao comer fora, encontramos dois ambientes alimentares diferentes: um tipo de restaurante oferece um buffet self-service e no outro ambiente encontramos os chefs que controlam o menu e o tamanho das porções. Como isso influencia a alimentação consciente? Restaurantes onde você se serve à vontade fornecem comida abundante e a baixo custo, o que pode ser uma armadilha quando o dinheiro está apertado. Indivíduos com status socioeconômico mais baixo consomem mais alimentos gordurosos e açucarados, e essas preferências são impulsionadas principalmente pelo preço e pela falta de educação nutricional, como mostrado em Appelhans et al. (2012). A escolha deliberada de comer menos pode ser uma ideia confusa nestas circunstâncias.


Van Ittersum et al. (2012) afirmam que o tamanho da louça também influencia no quanto nos servimos de comida em uma refeição. As pessoas se excedem quando usam uma louça maior, situação esta que pode ser explicada pela “ilusão de Delboeuf”, um viés de percepção visual causado pelo contraste.


E, quando o restaurante controla nosso tamanho das porções, ele também pode controlar nossas decisões sobre quanto comer. Se o chef é muito generoso com a ofertas de alimentos e não podemos servir a nós mesmos, então perdemos facilmente a conexão com nossas próprias necessidades físicas.


“A consciência proprioceptiva e a escuta de nossas sensações físicas durante a refeição podem ser uma maneira eficaz de ajudar a reduzir no momento das refeições a influência de estímulos externos, como o tamanho da porção e aumentar a de sinais internos, como fome e saciedade. Embora a atenção plena provavelmente não nos impeça de nunca comer demais quando jantamos fora, não devemos subestimar seu poder. Se não praticarmos a consciência, nosso comportamento é ditado pelos desejos e facilmente manipulado pelos outros”, afirma Caroline Baerten.


No estudo de Timmerman e Brown (2012), é mostrado que a alimentação consciente pode ser aprendida, mesmo em circunstâncias desafiadoras. O Mindful Restaurant Eating, um programa destinado a mulheres entre 40 e 59 anos que comiam frequentemente em restaurantes, ensinava-lhes a estarem mais conscientes das suas escolhas, fome, plenitude e comer inconsciente. Embora o objetivo do treinamento de seis semanas não fosse a restrição alimentar ou a perda de peso, as mulheres acabaram comendo menos de acordo com suas necessidades físicas.


O verdadeiro prazer ao comer tem um efeito a longo prazo e um componente nutritivo para o coração. Quando comer fora, pode incluir a percepção sensorial e estar no momento presente, ouvindo histórias de onde a comida vem, ou simplesmente desfrutando da boa companhia de entes queridos. Encontrar um equilíbrio entre prazer e autocuidado é uma das chaves para a felicidade. Concentrar nossa atenção nesses benefícios adicionais da alimentação em restaurantes pode nos ajudar a alcançar este prazer e equilíbrio.



Fonte:Centro Brasileiro de Mindful Eating


Se você gostou, deixe seu like aqui embaixo, no nosso coraçãozinho! ↓↓↓↓↓

Esse artigo contou com a colaboração do Grupo Low Carb Lifestyle Brasil.

E você?? Já faz parte do nosso Grupo no Facebook??

Não?? Então, corre lá!!!

https://www.facebook.com/groups/lowcarlifestylebrasil/

Siga-nos no Insta!! https://www.instagram.com/lowcarblifestylebrasil/

#artigo #psicologia

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Nenhum tag.
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Instagram_2016_icon